Posts Tagged ‘Denúncias’

h1

Roberto Gómez Bolaños (Chaves) NÃO morreu!

30/01/2012

Aviso importante: está circulando uma mensagem na internet a respeito da suposta morte do Roberto Gómez Bolaños (Chaves), mas não apenas se trata de um boato como ainda por cima está sendo usado para disseminar vírus e  trojans.

Veja mais no Mundo das Tribos.

h1

Alerta da Receita Federal (fraude)

04/11/2011

Segue um aviso importante que recebi por email:

> ALERTA da RECEITA FEDERAL – FRAUDE! = ESSE VAI PEGAR MUITA GENTE !
>
> CUIDADO COM ESTE GOLPE. É UM MODELO INOVADOR, POIS NÃO VEM POR E-MAIL. VOCÊ RECEBERÁ UMA CORRESPONDÊNCIA EM SUA RESIDÊNCIA. MUITO
> CUIDADO!
> SE RECEBER ALGO NO FORMATO ANEXO, DESTRUA, JOGUE FORA E JAMAIS ACESSE O ENDEREÇO ELETRONICO MENCIONADO NA CARTA!
>
>
> MUITO CUIDADO!
> Avise todos os seus amigos também


Detalhe importante:

Apesar desse novo golpe ser enviado através dos correios, note que os golpistas orientam a vítima a acessar um site falso (hospedado em um serviço chamado x10 Hosting, que não tem nada a ver com o golpe – aliás o site falso poderia usar o WordPress, o Blogger, o Tumblr… tanto faz). Não custa lembrar: o site verdadeiro da Receita Federal é http://www.receita.fazenda.gov.br/

Fiz uma busca e descobri que o site falso foi tirado do ar (provavelmente porque alguém o denunciou ao serviço de hospedagem), mas achei importante divulgar esse aviso porque este falsário (ou outro qualquer) pode fazer uso de truque similar. Então esteja avisado, amigo leitor.

h1

Campanha Fechar Escola é Crime

28/10/2011

via Polivocidade

 

CAMPANHA FECHAR ESCOLAS É CRIME!

Mais de 24 mil escolas do campo foram fechadas nos últimos oito anos

A Educação é um direito fundamental garantido pela Constituição Federal (Título II – Dos Direitos e Garantias Fundamentais, Capítulo III, seção I) – direito de todos e dever do Estado. Entretanto, nos últimos anos, milhares de crianças e adolescentes, filhos e filhas de camponeses, estão sendo privados deste direito.

Nos últimos oito anos, mais de 24 mil escolas do campo foram fechadas. Os dados do Censo Escolar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), do Ministério da Educação, apontam que, no meio rural, existiam 107.432 escolas em 2002. Já em 2009, o número de estabelecimentos de ensino reduziu para 83.036.

Para essas famílias camponesas, o anúncio do fechamento de uma escola na sua comunidade ou nas redondezas significa relegar seus filhos ao transporte escolar precarizado, às longas viagens diárias de ida e volta, saindo de madrugada e chegando no meio da tarde; à perda da convivência familiar, ao abandono da cultura do trabalho do campo e a tantos outros problemas.

O resultado comum desse processo é o abandono da escola, por grande parte daqueles levados do campo para estudar na cidade. É por essa razão que os níveis de escolaridade persistem muito baixos no campo brasileiro, em que pese tenha-se investido esforços e recursos para a universalização da educação básica.

Portanto, fechar uma escola do campo significa privar milhares de jovens de seu direito à escolarização, à formação como cidadãos e ao ensino que contemple e se dê em sua realidade e como parte de sua cultura. Num país de milhares de analfabetos, impedir por motivos econômicos ou administrativos o acesso dos jovens à escola é, sim, um crime!

A situação seria ainda mais grave não fosse a luta dos movimentos sociais do campo, por políticas de ampliação, recuperação, investimentos, formação de educadores e construção de escolas no campo. Importantes para reduzir a marcha do descaso dos gestores públicos para com os sujeitos do campo, mas insuficiente para garantir a universalização do acesso à educação no campo.

Denunciamos essa trágica realidade e conclamamos aos gestores públicos municipais, estaduais e federais que suspendam essa política excludente, revertendo o fechamento de escolas e ampliando o acesso á educação do campo e no campo. Conclamamos também a sociedade brasileira para que se manifeste em defesa do direito humano à educação, em defesa dos direitos das crianças, adolescentes e jovens do campo frequentarem a educação básica, no campo.

Defender as escolas do campo é uma obrigação, fechar escolas é um crime contra as futuras gerações e a própria sociedade!

Assinam

Marilena Chauí – Professora de Filosofia da Universidade de São Paulo (USP)

Dermeval Saviani- Doutor em Filosofia da Educação – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP),

Gaudêncio Frigotto, Professor Titular aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) mestre e doutor em Educação

Roberto Leher – Professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Celi Zulke Taffarel – Doutora em Educação – Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Sergio Lessa, professor do Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Alagoas Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Elza Margarida de Mendonça Peixoto – Doutora em Educação – Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Attíco Chassot- Atua na área de Educação, com ênfase em Alfabetização científica e História e Filosofia da Ciência – Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Gelsa Knijnik- Doutora em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Luiz Carlos de Freitas- é professor da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Cláudio Eduardo Félix dos Santos – Doutorando em Educação – Professor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Mauro Titton – Professor do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Daniel Cara – Cientista Político – Coordenador Geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

Entidades

Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE)- Presidente Roberto Franklin de Leão

Ação Educativa – Sergio Haddad, economista, doutor em educação, coordenador geral

ActionAid

Centro de Cultura Luiz Freire – (CCLF)

Latinoamericana da educação – Campaña Latinoamericana por el Derecho a la Educación – (CLADE) – Coordenadora Camilla Crosso

 

Para assinar o manifesto, clique aqui

h1

Como denunciar crimes na Internet

21/01/2011

A Internet está infestada de criminosos. Se nas ruas vemos diariamente crimes sendo cometidos em plena luz do dia, imagine em um ambiente que propiciana o anonimato quase absoluto. Bom, como eu disse, quase absoluto. Sempre é possível rastrear os criminosos. Mas para isso é necessário que nós, usuários da Internet, tomemos partido nesta verdadeira guerra contra o crime online.

Há duas formas de denunciar estes crimes:

Safernet

http://www.safernet.org.br/site/

Polícia Federal

http://denuncia.pf.gov.br/

Vamos nos unir por uma Internet mais segura!

h1

EUA exigem a Twitter dados da conta do WikiLeaks e de vários colaboradores

09/01/2011

GOVERNO ESTADUNIDENSE DETÉM ARBITRARIAMENTE INFORMAÇÕES DE TODOS OS SEGUIDORES DO WIKILEAKS NO TWITTER Extraído do Terra Notícias: Uma ordem judicial emitida por um tribunal americano exige à rede social Twitter informação sobre a conta do WikiLeaks, assim como detalhes pessoais de seu fundador, Julian Assange, e vários partidários da organização. A ordem, assinada em 14 de dezembro pela juíza Theresa Buchanan em Alexandria, na Virgínia, aparece publicada no site da revista “Salon”, que teve acesso exclusivo ao documento. Na citação se pedia ao Tw … Read More

via Polivocidade

h1

Como é que ainda tem gente que acredita nos políticos?

14/07/2010

Sinceramente, creio que já está mais do que provado que os políticos só querem nos explorar. O Governo atual, por exemplo, segue a linha do “faça o que quiser, porque tudo o que dá voto é da lei” e menospreza a ética pública como nunca antes na história deste país (não que os anteriores tenha sido um exemplo moral).

Apossam-se das conquistas de seus antecessores (como o Real) para em seguida satanizá-los. Acusam a “oposição” (sic) de entregar o país para as empresas privadas quando os bancos estão batendo recordes de lucro. Defendem-se das acusações de corrupção com acusações contra a “oposição”, como se o erro de um justificasse o do outro. E apesar disso tudo ainda tem gente que se dedica a defender essa corja, não com uma visão de que eles são os mais toleráveis na atual conjuntura (o que poderia ser até aceitável), mas com a visão de que eles realmente são bons e lutam pelo povo.

E a “oposição”, o quê é que ela faz? Faz acordos com o Governo para garantir os seus próprios feudos. Denunciar (com seriedade, nada desse fogo de palha que se vê) toda a podridão do Governo? Fora de cogitação – eles também têm o rabo preso.

Acorda, Brasil! Chega dessa ideologia barata de “Governo do Proletariado”! Nenhum Governo é do Proletariado. Governo é Governo. Povo é Povo. Eles de um lado, nós do outro. Eles buscando o Poder, nós a Sobrevivência (ou um pouco de conforto, para os cidadão de Classe Média).

O Lula foi pobre, foi do Povo? Foi. Veja bem: foi (passado). As pessoas mudam. O sindicalista que lutava pelos operários e a quem eu admirava pela bravura (como dizem: só quem não tem coração nunca admirou o Socialismo e só quem não tem cérebro persiste nessa idéia…), o que denunciava os males do Capitalismo, o que se opunha a “mais-valia”, este homem não existe mais. Agora é o “Lulinha Paz e Amor” que negocia com banqueiros porque sabe que no final das contas o Capitalismo sempre triunfará (não estou dizendo que isto é bom, apenas constando um fato; veja o Chê, por exemplo, que virou um ícone pop). A verdade nua e crua é que o Socialismo é a ideologia da inveja: está na vala? Nivele a todos por baixo. “Como ousar prosperar quando eu não prospero!” Começou a subir na vida? “Bom, não podemos ser radicais, não é mesmo?, vamos conversar…”

Querem votar na Dilma? Pois que votem! O Brasil ainda é um país livre, apesar das tentativas em contrário do Governo (alguém se lembra do Conselho de Jornalismo?). Mas se o fizerem, façam porque na situação atual ela lhe parece a “menos pior” (na minha opinião nem isso ela é, mas cada um sabe de seu próprio voto – não farei do meu blog um palanque pedindo votos para ninguém). Não sejam tolos de acreditar que ela é por nós, porque não é (o mesmo vale para o Serra e os outros).

É claro que é reconfortante se esconder nas brumas da ideologia; fantasiar um paraíso no qual somos todos iguais. Mas, por mais sonhadores que possamos ser (e eu sou um sonhador), chega uma hora que temos que acordar para a realidade. Se um dia o Brasil vier a ser um lugar bom para morar, será por nossos esforços como indivíduos, e não pela ação do Governo – tenha certeza disso!

E para os ufanistas que se incomodaram com este última frase: o Brasil realmente não é um lugar bom de se morar (a não ser talvez para os mais abastados). Se dúvida, coloque seu filho em uma escola pública para ver como seus impostos estão sendo usados; quando ficar doente, vá a um hospital público; se tiver uma condição um pouco melhor, experimente comprar um relógio caro e sair na rua – quanto tempo levará para ser assaltado? (lutamos feito condenados para poder comprar as coisas e nem sequer temos o direito de usar por causa da bandidagem)

Como eu disse antes, o Blog do Rodrigo Guedes não é um palanque a favor de candidato nenhum (sou apolítico com orgulho). O objetivo deste artigo é apenas tentar abrir os olhos de quem o leia para que vote com consciência (o triste é que justamente quem mais precisa de uma mensagem deste tipo nunca terá a chance de ler este artigo ou outro nesta linha de pensamento). Quem vencerá as próximas Eleições? Não sei. Mas sei quem perderá: nós, o Povo (como sempre).

h1

Auxílio-reclusão

02/02/2010

Quando eu recebi um e-mail que circula na Internet falando sobre um tal de auxílio-reclusão a primeira coisa que me veio à cabeça foi: “Ah, só mais um boato!”. Mas, como de costume, resolvi pesquisar o assunto. E qual não foi minha surpresa ao ver no site oficial da Previdência Social que é verdade! É claro que eu não fui através do link fornecido no e-mail. Quem acompanha meu blog sabe que isso é pedir para ter o computador infectado por vírus. Eu procurei no Google pelo site oficial de Previdência e de cara já podemos ver o link para o execrado auxílio.

Em resumo: quando alguém que esteja amparado pelo INSS for preso sua família receberá um benefício de até R$ 798,30. Isso mesmo, mais que um salário mínimo como prêmio (sic) pelo crime cometido! Alguns poderiam argumentar que a família do preso não merece ser punida por seus crimes, mas aí eu pergunto: e a família da vítima? Se alguém mata uma pessoa a família do assassino é amparada enquanto a família da vítima, além do sofrimento brutal da perda de um ente querido, fica a ver navios. E depois o Governo ainda vem dizer que a Previdência está “quebrada”.

Para quem tiver sangue frio para conferir o link é este:

http://www.previdenciasocial.gov.br/conteudoDinamico.php?id=22

Divulgue esta informação para seus familiares e amigos!